Gold Clock

segunda-feira, 23 de abril de 2012

SERTÃO DISTANTE


                              

                                     POESIA DE MANOEL CAVALCANTI  DE  QUEIROZ


OH, QUE SERTÃO TÃO DISTANTE
OH, TERRA ONDE NASCÍ
TENHO SAUDADES  CONSTANTES
DAS ÁGUAS QUE ALÍ BEBÍ
TENHO LEMBRANÇAS DAS TERRAS
DAS ÁRVORES E DAQUELES RIOS,
DAS PEDRAS QUE DEIXEI  NAS SERRAS,
DOS CAMPOS E TAMBÉM  DO FRIO.
OH, QUE SERTÃO TÃO LONGE 
DE CALMA E TANTO AMOR
MEU CORAÇÃO PULA,
CANTA E SOFRE DOR.
DE TÍ, JAMAIS ME ESQUEÇO
OH, MEU SERTÃO TÃO QUERIDO
DAS FLORES QUE NÃO MEREÇO,
DO TEU SOLO RECEBIDO. 








Obs:  O Poeta Manoel C. de Queiroz, é avô do saudoso Poeta Walflan de Queiros,  do Poeta Jadson Queiroz e Bisavô do Prof. Gibson Machado e  do Poeta  e Blogueiro, Fernando Caldas.
                                                      

Nenhum comentário:

Postar um comentário