Gold Clock

segunda-feira, 29 de agosto de 2011

PARA MEDITAR...

As lágrimas têm insistido em molhar teu rosto, mas eu te digo assim Quando as lutas baterem forte em sua porta, e tentarem querer parar o teu coração. DEUS diz assim para ti: Estou contigo, não desanime, EU SOU O TEU DEUS!!! Seja forte, eu seguro a tua mão e te sustento com a Destra da Minha Justiça. Não desanime!!! DEUS está contigo, tome posse da VITÓRIA, a porta esta aberta!!! DEUS é um DEUS de milagres!!! Creia nisso de todo o seu coração... E deposite todas as tuas ansiedades, aflições, medo, angústias e temor, nas mãos DELE!!! Quantas vezes você pensou que era o fim, a hora de desistir... DEUS sempre chega na Hora certa, jamais permitirá que sejas abalado. A mão do SENHOR JESUS não está encolhida e sim, sempre estará estendida para ti. Portanto, vai em frente, tente um pouco mais, não desista!

obs:  Mensagem enviada para o meu Orkut, pela Pastora LEILA.

MOMENTOS DA POESIA

.

O DESTINO NOS UNIU



JADSON DE QUEIROS



OLHANDO AS ESTRELAS NO CEU
FICO A LEMBRAR DO NOSSO AMOR
DE TANTAS RECORDAÇÕES SINGELAS
E DOS BEIJOS QUE TROCAMOS COM ARDOR.

ANTES DO NINHO DE AMOR
O PASSEIO NA PRAIA, DE MÃOS DADAS,
A CERVEJA NO BARZINHO DA ESQUINA
E A BELEZA DAS NOITES ENLUARADAS.

A FELICIDADE DESTE MOMENTO
É TER VOCÊ SEMPRE AO MEU LADO,
É VIVERMOS ESSE AMOR INTENSAMENTE
E JUNTOS, CONTINUARMOS DE BRAÇOS DADOS.

SOMOS FELIZES, É TUDO O QUE IMPORTA
VAMOS VIVER JUNTOS FINALMENTE,
O DESTINO NOS UNIU, NINGUÉM VAI SEPARAR
E DESFRUTAREMOS, SIM, DESSE AMOR, ETERNAMENTE.

MINHA HOMENAGEM A CEARÁ- MIRIM

.                                                          jadson  Queiroz


         EVOCAÇÃO A CEARÁ-MIRIM         
Letra e música de  Jadson Queiroz   (Marcha Rancho)


OH, QUE SAUDADE
DA MINHA TERRA QUERIDA
DA PRAIA DE MURIÚ
DOS ENGENHOS, DAS USINAS
CEARÁ-MIRIM
CIDADE  GUERREIRA
DOS VERDES CANAVIAIS   (bis)
TEM HISTÓRIA E TEM CULTURA
TEM ZÉ LUIZ, NILO PEREIRA
EVOCAÇÃO,
TERRA QUERIDA,
POIS ÉS GLÓRIA,
E O TEU POVO
ORDEIRO.  (bis)

A minha homenagem ao Ceará-Mirim, sua  História , sua Cultura e ao seu povo maravilhoso.

RELEMBRANDO...

Baixa Verde  década  de 40
Eu (jadson) e o  meu irmão Jairo.
Ele na cela e Eu na garupa da mula  "Galega".


.

UM POTIGUAR VITORIOSO



UM POTIGUAR VITORIOSO

.
O primeiro de casa a sair do sertão para a "cidade grande"




Vem das mãos do próprio Cortez, os traços em papel de sua linha do tempo, que começa no RN, no sítio Santa Rita, no sertão curraisnovense, distante 25km da sede do município. Filho mais velho de uma prole de 10 irmãos, todos eles seguiram caminhos distintos, que mais tarde viriam a se reencontrar no trabalho da Editora Cortez. Estudou em escola rural, caminhando a pé e às vezes a cavalo. Ele foi o primeiro a se transferir para Natal, onde chegou a vender frutas para sobreviver até que em 1955, transferiu-se para o Recife, onde ingressou na Marinha do Brasil. Na Marinha conseguiu fazer o então 2º grau e foi expulso em dezembro de 1964, quando eclodiu a "Revolta dos Marinheiros" na época do regime militar.


Atualmente, a Cortez Editora possui aproximadamente mil títulos Foto: Ana Amaral/DN/D.A Press
Em janeiro de 1965 seguiu para São Paulo, como tantos outros nordestinos, à procura de emprego. Lá passou a trabalhar como lavador de carros e foi incentivado por clientes e amigos a "terminar os estudos". Como não tinha dinheiro para estudar e se manter financeiramente, teve de arrumar um bico para complementar a renda.

Aos 29 anos fez vestibular e matriculou-se no curso de Economia na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). Passou a conviver com intelectuais de peso como Paulo Freire, em plena efervescência cultural que ironicamente tomou conta do Brasil no período pós-ditadura. "Depois que entrei na universidade minha vida começou a mudar porque morava ao lado de uma editora e comecei a vender livros aos meus colegas de classe".

Assim, Cortez foi somando sua convivência e a paixão pelos livros, dando origem a um projeto ousado: ser editor. Em janeiro de 1980, após desfazer a sociedade, a Cortez Editora inicia suas atividades num pequeno espaço no bairro de Perdizes, região nobre de São Paulo. De lá para cá se passaram 31 anos de história, tornando a editora uma referência na formação e especialização de professores e discentes.

Atualmente, a Cortez Editora possui em seu catálogo aproximadamente mil títulos, escritos por renomados especialistas nacionais, traduções de autores consagrados internacionalmente e também obras de novos intelectuais.
 
FONTE: Diario de Natal

quinta-feira, 11 de agosto de 2011

FOTOS DA POSSE NA ACADEMIA CEARAMIRINENSE DE LETRAS E ARTES


 PARABÉNS!

FONTE:WWW.OUTRASEOUTRAS.BLOGSPOT.COM

A FESTA HISTÓRICA DA INSTALAÇÃO, POSSE E HOMENAGENS DA ACADEMIA CEARAMIRINENSE DE LETRAS E ARTES,
O COMEÇO DA COMPOSIÇÃO DA MESA DE HONRA DA SOLENIDADE DE INSTALAÇÃO DA ACADEMIA CEARAMIRINENSE DE LETRAS E ARTES, HONRARIAS E POSSES DOS ACADÊMICOS.
O AUDITÓRIO DA ESTAÇÃO CULTURAL ROBERTO VARELA FICOU PEQUENO DIANTE DE TÃO EXPRESSIVO COMPARECIMENTO. NA FILA, PARA NOS DIRIRGIRMOS AO GRANDE PALCO, EU, MEU PADRINHO E OUTROS CONFRADES.
LÚCIA HELENA E SEU PADRINHO E NETO RENATO JOSÉ QUE VEIO DA AUSTRÁLIA, NUM MOMENTO DE ENCONTRO COM O PRESIDENTE DA ACLA, ANTES DE SE DIRIRGIR AO PALCO PARA A LINDA SOLENIDADE!
A ESTAÇÃO, COM O TREM LÁ PARADO,
ASSISTINDO O VALE EM SUA GRANDE FESTA LITERÁRIA.
A ESTAÇÃO CULTURAL ROBERTO VARELLA
SÓCIOS FUNDADORES DA ACLA
FOTO COM 11 SÓCIOS FUNDADORES
UMA PEQUENA PARTE DO ACERVO LITERÁRIO DOS IMORTAIS
PADRINHOS: RENATO JOSÉ E AMÁLIA BEZERRA VARELLA
GIBSON MACHADO - VICE PRESIDENTE DA ACLA -
ENTRANDO COM SUA ESPOSA E MADRINHA
PLATÉIA
A PLATÉIA ONDE APARECE FRANCISCO MARTINS,
FUTURO IMPORTAL DA ACLA.
NO MOMENTO EM QUE FUI CHAMADA E A FIBROMIALGIA, PELO FATO DE ME ENCONTRAR COM SAPATOS COM SALTINHOS, NÃO ME PERMITIU DEAMBULAR DIREITO, DIÓGENES DA CUNHA LIMA E OUTROS MEMBROS DA MESA DE HONRA COMEÇARAM A APLAUDIR E O CONFRADE FRANCISCO DE ASSIS RODRIGUES, GENTILMENTE VEIO ME BUSCAR. MOMENTO ÚNICO DE EMOÇÃO PELO RESPEITO À MINHA PESSOA. OBRIGADA!
& Escritores Ltda.

A POSSE NA ACADEMIA CEARAMIRINENSE DE LETRAS E ARTES


Visit Grupo Editorial Beco dos Poetas & Escrit


CEARÁ -MIRIM, O VALE ENCANTADO, TEM A SUA ACADEMIA CEARAMIRINENSE DE LETRAS, NA FESTA GLORIOSA PREPARADA POR PEDRO SIMÕES NETO - O GRANDE PRESIDENTE!
LÚCIA HELENA PEREIRA
DIPLOMA DE SÓCIA FUNDADORA DA ACLA
ENTREI NO VALE COM LÁGRIMAS EM MEUS OLHOS, SOB UM CÉU INFLAMADO PELO FOGO DO POR DO SOL.
AS ÁRVORES, EM CORTEJO SOLENE, ERAM, EM SI, A CENA MAIS BELA DO ANOITECER DO VALE VERDE.
NO MEU CARRO, MEU FILHO ABEL, MEU NETO RENATO JOSÉ E MEU SOBRINHO-NETO EDUARDO.
EU SABIA QUE ESSE CÉU FARIA A FESTA EM MINHA CHEGADA. E DEUS ESTAVA ALI, SORRINDO, FESTEJANDO A GRANDE MISSÃO DESSE NOBRE HOMEM - PEDRO SIMÕES NETO - O CRIADOR DA ACADEMIA CEARAMIRINENSE DE LETRAS E ARTES.
AUTORIDADES PRESENTES: NOSSOS CONFRADES DAS ACADEMIAS: NORTE-RIO-GRANDENSE DE LETRAS, ACADEMIA DE LETRAS JURIDICAS DO RN, ACADEMIA MACAIBENSE DE LETRAS, INSTITUTO HISTÓRICO E GEOGRÁFICO DO RN, FUNDAÇÃO PRO-MEMÓRIA DE MACAÍBA, CÂMARA MUNICIPAL DE CEARÁ-MIRIM, LUDOVICUS - INSTITUTO CÂMARA CASCUDO, ASSOCIAÇÃO DE JORNALISTAS E ESCRITORES DE BRASIL-AJEB, SOCIEDADE INTERNACIONAL DE POETAS DEL MUNDO, ABMCJ - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE MULHERES DE CARREIRA JURÍDICA,SOCIEDADE DE POETAS VIVOS E AFINS, ACADEMIA APODIENSE DE LETRAS, PROJETO CULTURAL "BOCA DA NOITE", CLAMBOM (CLUBE DOS AMANTES DA BOA MÚSICA), E DEMAIS CONGÊNERES, DEVIDAMENTE TRAJADOS COM SUAS PELERINES, SEU AMOR ÀS LETRAS, SUA CONSIDERAÇÃO AO MOMENTO HISTÓRICO QUE O VALE VERDE VIVEU E VIVERÁ EM TUDO E NAS MUITAS GERAÇÃO.
OBRIGADA, PEDRO SIMÕES, POR ESSE GESTO ETERNO!
MARIA MADALENA ANTUNES PEREIRA, MINHA AVÓ QUERIDA E LINDA, TRISAVÓ DO MEU NETO RENATO JOSÉ DE MELO NETO (NOME DO AVÔ MATERNO) MEU PADRINHO DE HONRA!
AO MEU NETO - OBRIGADA POR TER SIDO TÃO GRANDE E AMOROSO COM VOVÓ LÚCIA.
OBRIGADA POR TER GOSTADO DA MINHA FESTA LITERÁRIA E POR HAVER ACHADO ENCANTADORAS AS PESSOAS, AS PELERINES, O ANFITEATRO DA ESTAÇÃO CULTURAL, OS MUITOS BATRÁQUIOS (SAPOS ENORMES) COMPLETANDO O CENÁRIO ENTRE AS ÁRVORES!
OBRIGADA POR SUA COMPANHIA DIVINAL.
fonte:  blog VIVICULTURA



sexta-feira, 5 de agosto de 2011


RELEMBRANDO...

Pelo Teatro de Amadores de Natal - TEA
Festival do Autor Potigual ano de 1960.
O blogueiro é o primeiro da direita para a esquerda.                                                                                                                           

quinta-feira, 4 de agosto de 2011


RELEMBRANDO...

   Foto do elenco da peça da autoria de Antonio de Jesus, " A DÔR DA RENÚNCIA",
    Tea
tro  Unidos " Meira Pires".  Na década de 70.  - Ceará-Mirim/RN - Velhos e bons tempos!!!!!
Obs. Joaquim Nunes ( Falecido  dia 5) é o quinto da esquerda para à direita da foto.
                                                          LUCIA    HELENA

ATÉ ONDE ME LEVEM AS FLORES
(2009)

Sigo os passos daquela floreira do quintal de minha casa,
Onde pétalas se abriam ao amanhecer, espargindo aromas mil,
Lá, eu via flores azuis, amarelas - crisântemos dourados,
Voando ao léu em pétalas partidas, esvoaçadas.
Até onde me levem as flores, quero alcançar o vôo da águia cinza,
Num horizonte cheio de gaivotas perdidas,
Criando azuis num infinito de solidão,
Aportando numa praia qualquer
Desesperadamente doentes.
Preciso curar as aves, remendar as pétalas das flores
Que se esgarçam ao vento e se debatem,
Como asas de pássaros infelizes,
Sem árvores, rios, sem espaço!
Até onde me levem as flores quero conhecer montanhas
Escalar nuvens e grandes cumes,
Conhecer e amar as planícies esquecidas
E não enxergar mais nada, só o azul celeste
Banhando-me em nuvens cristalinas e perfumadas.

Quero o vento do norte apontando caminhos,
Quero o cheiro da madrugada despindo meus desejos,
Quero a linguagem silenciosa das mariposas - acasalando,
Proliferando a espécie.
Até onde me levem as flores quero um punhado de luz,
Incandescente, avermelhada, espalhando fagulhas
Sobre minhas feridas e curando os meus ais!

RESPOSTA DO PRESIDENTE DA ACLA - PEDRO SIMÕES- À CARTA DE DENISE PEREIRA GASPAR, PARA LÚCIA HELENA.

LIVRO DE DENISE PEREIRA GASPAR (1995), EM HOMENAGEM AO SEU GENITOR: RUY ANTUNES PEREIRA
DENISE PEREIRA GASPAR
PEDRO SIMÕES NETO

PEDRO SIMÕES NETO, PRESIDENTE DA ACLA, MANDA-ME SUA RESENHA SOBRE A CARTA DE DENISE PEREIRA GASPAR PARA LÚCIA HELENA PEREIRA.

"Denise Pereira Gaspar é uma criatura cearamirinense de muita tradição e sensibilidade. Para que se tenha idéia do seu DNA, sua família está presente na história da nossa cidade desde as atividades políticas e econômicas até (e para mim principalmente) nas letras. Quatro dos patronos da nossa Academia Cearamirinense de Letras e Artes (ACLA) - Maria Madalena Antunes Pereira, Nilo Pereira, Juvenal Antunes e Etelvina Antunes - são seus parentes. E ela é uma pessoa sensível, muito bem informada e talentosa. Conheci alguns dos seus escritos e identifiquei neles a presença da escritora sóbria, que não desperdiça as palavras mas as têm em suficiência, capazes de compor textos sem redundâncias, bem postos e de uma clareza jornalística. Pois bem, vale transcrever a carta que encaminhou à nossa confra
de Lúcia Helena, sua prima, para que a conheçam literariamente.

Pedro Simões Neto"

******************************************************************************

CARTA DE DENISE PARA LÚCIA HELENA

"Querida prima e amiga, Lúcia Helena.

Nessa data tão importante, para nós cearamirinenses, pela criação da Academia de Letras e Artes em nossa terra, estarei privada de participar dessa alegria, por me encontrar no Rio de Janeiro, em tratamento de saúde, com consulta já aprazada. Porém, tenha a certeza que aí estarei, em espírito e coração, nesse momento único e sublime, em que você, por justiça, irá ocupar a cadeira 04, cuja patrona é a nossa avó paterna, Maria Madalena Antunes Pereira - "ela que através do seu espírito, amor, caridade e inteligência, como uma lâmpada acesa, era capaz de iluminar o mais obscuro dos nossos sentimentos". Com certeza, estará lá no céu, vislumbrando o seu verde vale, o mundo encantado do seu filho, Ruy Antunes Pereira, feliz por ter legado a você, toda a herança intelectual que deixou aos seus descendentes.
Sim, é muita emoção poder abraçar uma nova Academia Literária e sei, que do céu, seus queridos pais, meus tios Abel Antunes Pereira e Áurea Pacheco Pereira, aplaudem mais esta bela vitória da filha caçula.
E mais feliz ainda estará nossa avó, vendo a sua dileta neta entrar pelos braços de um anjo - um trineto - o neto que você tanto ama - Renato José!
O nosso Ceará- Mirim e a sua ACLA estão de parabéns por essa nova e nobre conquista e por ter mais uma digna representante da família Antunes Pereira, entre os seus pares.
Transmita a todos e ao seu presidente Pedro Simões, a minha saudação e o meu abraço.

Denise Pereira Gaspar
(Sua Uruquinha)

**********************************************************************

Denise está de viagens aprazadas para consultas médicas no Rio de Janeiro, seguindo no próximo domingo, 07-08, para assistência do ortopedista que faz o tratamento do seu pé, num problema sério que já vai minimizando, aos poucos.
 Transcrito do Blog OUTRAS   e OUTRAS  

UMA POTIGUAR NO FRONT DO CINEMA INDIE BRASILEIRO



-



Yuno Silva
repórter

Seja curta ou longa-metragem, com alguma verba, um bom roteiro e um elenco preparado se vai longe certo? Nem tanto. Desde que o acesso à tecnologia digital barateou o processo e os editais públicos serviram de alavanca para  viabilizar novas produções cinematográficas, o maior calo no sapato do cinema brasileiro é ser visto. Principalmente quando o assunto é cinema independente. "A distribuição desse material em um país de proporções continentais ainda é o maior obstáculo a ser superado - principalmente pelos independentes", afirma a potiguar Isabelle Cabral, diretora executiva da distribuidora Pipa Produções, que no começo da carreira chegou a divulgou filme até usando um estandarte na praia, como ambulante. Hoje, ela conta com 22 filmes distribuidos e 54 promovidos pelo Brasil a fora.
divulgaçãoFilmes como Elvis e Madona, Os Filhos de João e, agora, o  documentário Belair fazem parte dos filmes indies que a produtora potiguar distribuiu pelo paísFilmes como Elvis e Madona, Os Filhos de João e, agora, o documentário Belair fazem parte dos filmes indies que a produtora potiguar distribuiu pelo país

Morando no Rio de Janeiro desde o início da década de noventa, ela encontrou uma forma criativa de se destacar no meio da multidão de filmes que busca um lugar na sala escura. "Temos uma maneira diferente de abordagem que chamamos de distribuição criativa, onde consideramos como base para conquistar espaço três pilares fundamentais: primeiro estabelecemos estratégias diferenciadas de marketing para cada filme, em seguida buscamos fortalecer a rede exibidora e por fim potencializamos a base de consumidores", resume. Desde 2002 no mercado, ela diz que sua empresa é uma das menores distribuidoras do país, mas nem por isso "deixa de ter espaço".

Natural de Parnamirim, filha de militar aviador, ela não esconde suas origens: "Adoro Natal, tenho muito orgulho da minha terra, e o nome da produtora tem tudo a ver com a praia de Pipa. Também traz o simbolismo de voar, de alcançar outros horizontes", entusiasma-se. "Portanto, só com criatividade podemos fazer frente a filmes como Harry Potter, que chega ao país com mil cópias. Como temos pouco mais de 2,4 mil salas de cinema no Brasil, dá para imaginar o tamanho da disputa por espaço", verifica Isabelle, que trabalha com uma média de 15 cópias em 35 mm por filme.

Novos baianos

Responsável pela distribuição de filmes como o recém-lançado documentário "Filhos de João, o admirável mundo novo baiano", do diretor Henrique Dantas, recorte que remonta a trajetória da banda Novos Baianos em cartaz na sala 3 do Moviecom do Praia Shopping; e a premiada comédia "Elvis & Madona", de Marcelo Laffitte, que faturou seis prêmios no FestNatal 2010; e pela promoção dos longas "Tapete Vermelho" e o conceitual "Cinema, Aspirinas e Urubus", a Pipa Produções se diferencia por diversos fatores que a credenciam como alternativa certeira para realizadores que tem pouca verba para promover e divulgar.

"Além da distribuição criativa, que se sustenta a partir de uma rede de produtores parceiros espalhada pelo Brasil, também criamos o vale cinema - ingresso promocional gratuito que utilizamos para potencializar o boca a boca, que na minha opinião é a forma mais importante e eficiente de divulgação quando se trata de uma produção independente", garante. De acordo com Isabelle Cabral, essas estratégias são negociadas com os próprios realizadores dos filmes: "É uma relação de parceria, onde todos saem ganhando: público, distribuidor e cineasta", disse.

Rede de parceiros

DivulgaçãoA produtora potiguar Isabelle Cabral é diretora da Pipa Filmes, que distribui filmes do mercado independenteA produtora potiguar Isabelle Cabral é diretora da Pipa Filmes, que distribui filmes do mercado independente
Esses ingressos são distribuídos através de parcerias com projetos sociais, escolas públicas e universidades. "Procuramos até as escolas particulares de bairros nobres, pois sabemos que os adolescentes vão ao cinema com frequência mas não para ver filmes nacionais", analisa. Segundo ela, o público consome pouco o cinema brasileiro por falta de contato com as produções. "Se o produto cultural é feito com recursos públicos, nada mais justo que parte dos ingressos serem gratuitos", aposta.

Cabral lembra que esse papo de distribuição criativa e vale cinema começou há cerca de dez anos. "Em 2000, fiz um plano de divulgação especial para o primeiro filme Tainá e o resultado foi super bacana. No ano seguinte, o diretor Fernando Meirelles (Cidade de Deus), ainda em início de carreira, veio com quatro cópias da comédia 'Domésticas' e a ideia embrionária do vale cinema. Como já fazia parte de uma rede nacional de produtores parceiros, formada na época que estive à frente do projeto 'Cinema BR em Movimento', juntamos tudo isso com uma ação de marketing barata e bem planejada e a coisa fluiu", recorda. Depois Isabelle trabalhou na promoção de um filme de Carla Camurati, e uma coisa foi puxando outra até surgir a Pipa Produções. "Só entrei no ramo da distribuição em 2005, até então estava mais ligada às campanhas promocionais".

Atualmente a produtora esta com três longas em circulação: o documentário sobre os Novos Baianos; "O Gringo", sobre o jogador de futebol sérvio Petkovic; e "Belair", que conta a história produtora cinematográfica criada em 1970 por Júlio Bressane e Rogério Sganzerla. Vale registrar que essas três produções foram beneficiadas pelo edital da Petrobras para distribuição de filmes. Neste segundo semestre, a Pipa Produções leva às salas de cinema mais três filmes: a comédia "Elvis & Madonna" e os longas "Galinha Preta", de Brasília, e "Ponto Final", este último integrante da programação oficial do Festival de Cinema de Gramado.

A distribuidora mantém seu foco voltado para produções nacionais, e os filmes que estão no catálogo da Pipa Produções são garimpados, principalmente, em festivais. "Foi assim com 'Elvis e Madonna', estava em Natal acompanhando o documentário 'Cinderelas, Lobos e um Príncipe Encantado' onde conheci o (diretor) Marcelo Laffitte", disse.

Acidente mudou a carreira

Graduada em Biologia Marinha pela UFRN, Isabelle acabou seguindo outro rumo quando chegou no Rio de Janeiro. "Comecei a fazer teatro e já era uma espectadora assídua de filmes. Foi no cinema que encontrei minha turma", lembra a potiguar. O mergulho na sétima arte deu-se devido acidente que a deixou quase um ano de molho.Quebrou as duas pernas durante uma trilha radical nas matas cariocas. "Passei um ano estudando cinema por conta própria. Como tinha experiência na área de marketing, acabei indo trabalhar na universidade Gama Filho como programadora da sala de cinema de lá. Era a retomada do cinema nacional e promovi mostras e debates com diretores. Depois disso não parei mais", comemora.

Fonte;  TRIBUNA DO NORTE