Gold Clock

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013


VIDA E OBRA DO COMPOSITOR JOSÉ LUIZ - Autor do Hino de Ceará-Mirim/RN-BRASIL


O COMEÇO
            José Luiz nasceu em Ponta do Mato, distrito de Ceará-Mirim, no ano de 1915. Estudou o primário na cidade e em Natal iniciou o curso ginasial.  No ano de 1933, aos 18 anos, seguiu para o Rio de Janeiro no navio BAEPENDI, como soldado do Exército, pois devido a situação de guerra na Europa, as Forças Armadas do Brasil estavam em alerta. Mais tarde foi mobilizado para São Paulo, Três Lagoas e Aquidaurana.
            Sua aptidão para tocar violão o conduziu a conhecer músicos famosos da época, principalmente do Rio de Janeiro, onde fixou residência após deixar o Exército. Quando servia as Forças Armadas conheceu Luiz Gonzaga, que mais tarde  lhe deu uma força no mundo artístico, quando lançou o ritmo Baião no Café Nice.

O SUCESSO
           Em 1937 José Luiz aparece como violinista do cantor Augusto Calheiros, para quem compôs: “Grande Mágoa” e “Vida de Caboclo”. Também atuou com seu violão ao lado do grande astro Vicente Celestino, no Brasil e pela América do Sul.
            Em 1949 compôs o samba “Cremilda”, gravado por Moreira da Silva e o inscreveu no Concurso Oficial de Sambas e Marchas de carnaval do RJ, sendo o primeiro lugar. Disputaram com ele: Ary Barroso, Braguinha e Ataulfo Alves. 
            Ainda no Rio, juntou alguns músicos nordestinos e fundou um grupo regional para acompanhar nomes famosos, entre eles a cantora Ângela Maria, inclusive com participação no filme de Mazzaropi: “Fuzileiros do Amor”. Participou de outras produções cinematográficas como “O Cangaceiro” de Lima Barreto, “Fazenda do Ingá” e “O grande pintor”, estas últimas estreladas pelo comediante Ankito.
            Na década de 50 esteve em Ceará-Mirim o cantor Augusto Calheiros, que ao se apresentar acompanhado pelo grupo de José Luiz, disse que era com muito orgulho que ia cantar o seu maior sucesso, da autoria do compositor filho de Ceará-Mirim. Nesse momento seu talento foi revelado.
            José Luiz costumava todos os anos vir a Ceará-Mirim e realizava shows no Centro Esportivo e Cultural sem cobrar cachês. Demorava pouco devido a compromissos no Rio de Janeiro.
           
O HINO DE CEARÁ-MIRIM
            Quando compôs em homenagem a Ceará-Mirim, o hino da cidade, ele, segundo palavras do amigo Jadson Queiroz (pai do historiador Gibson Machado), estava com lágrimas nos olhos e disse: “este hino, era a sua maior obra, pois entre tantas que havia feito, aquela era especial, porque era a prova do seu grande amor pela terra”. Jadson foi presenteado com uma cópia do hino, escrita do próprio punho em papel de carta e com uma dedicatória. (Veja abaixo o histórico da postagem do CHAMINÉ do dia 04/07/2008). Em 19 de outubro de 1973, numa proposição do então prefeito Ruy Pereira Júnior, a Câmara Municipal de Ceará-Mirim aprovou como Hino Oficial do município a sua composição.

RELÍQUIA
O hino de Ceará-Mirim, no manuscrito abaixo, 
foi entregue pelo autor José Luiz
ao Sr. Jadson Queiroz em 11/07/1971.
HINO OFICIAL DE CEARÁ-MIRIM

Ceará Mirim da Usina São Francisco
Ceará Mirim da Praia Muriú
Ceará Mirim dos verdes coqueirais
E dos Canaviais
Miragem  do Patú
Ceará Mirim Cidade Brasileira
Ceará Mirim do meu coração
Ceará Mirim da Santa Padroeira:
Nossa Senhora da Conceição
Terra abençoada
Idolatrada
Tão Tropical

Terra da Usina Ilha Bela
Cidade Aquarela
Cidade Natal



A DOENÇA
            José Luiz foi acometido de  trombose, seqüela de um derrame cerebral, que o deixou com o lado esquerdo paralisado e com voz trêmula. Isso o afastou do meio artístico em 1963. Esse fato o trouxe de volta a Ceará-Mirim, mais precisamente para a comunidade de Ponta do Mato. Passou a viver de uma pensão concedida pela municipalidade. Tudo o que ganhou gastou em mesas de bares. Depois, em Ceará-Mirim residiu num quarto de pensão na Avenida Gal. João Varela. Posteriormente quando a doença lhe afligiu mais o corpo, José Luiz foi morar com uma irmã em Natal.

A MORTE E O ESQUECIMENTO
            No dia 27 de dezembro de  1982, com  67 anos de idade, José Luiz faleceu no Hospital do Câncer Dr. Luiz Antônio. Sabe-se que o seu corpo foi sepultado no cemitério do Bom Pastor. Seus familiares não sabem a localização do túmulo.
            Comenta-se que José Luiz teve muitas decepções no meio artístico, inclusive com Nelson Gonçalves, que aproveitou algumas de suas composições gravando-as como autoria de outros compositores.
            No bairro das Quintas em Natal há uma rua com o seu nome. No distrito de Ponta do Mato há um Largo e também uma rua denominados Compositor José Luiz.
            Ainda existe em Ceará-Mirim quem não ouviu falar em José Luiz.

Pesquisa do Blog CHAMINÉ:
Fonte:  Maria Edna Alves França e  Maria do Rosário de Fátima Dantas  
            Biblioteca Pública Dr. José Pacheco Dantas – Ceará-Mirim

MATÉRIA TRANSCRITA DO BLOGUE: CHAMINÉ

Nenhum comentário:

Postar um comentário