Gold Clock

segunda-feira, 30 de maio de 2011

FIGURAS INESQUECIVEIS DO CEARÁ-MIRIM - PROF. JOSÉ TITO JR.



JOSÉ TITO JÚNIOR

             José Tito Júnior nasceu no dia 14 de agosto de 1925, na cidade de Angicos, Estado do Rio Grande do Norte.
             Filho de José Tito Filho e Ana do Carmo Tito, ele comerciante e agricultor e ela do lar. José Tito é o segundo filho do casal. São seus irmãos, Maria Cremilda de Souza, Jaime Seguier de Souza, Elza Tito de Souza e Tácito Tito de Souza.
             José Tito fez seus primeiros estudos em uma escola particular e o primário no Grupo Escolar José Rufino. Passou sua infância na cidade de Angicos.
             Em 1938 foi encaminhado para o Seminário Diocesano de Santa Terezinha em Mossoró/RN, pelo então vigário Padre Manoel Tavares de Araújo, depois Bispo de Caicó. No Seminário faz o curso de Admissão e o Ginásio, tendo como professor o então Bispo de Mossoró, Dom Jaime de Barros Câmara, depois Cardeal do Rio de Janeiro.
             Em 1942, ao deixar o Seminário regressou à sua cidade natal, passando a ajudar seus pais no comércio e agricultura até o ano de 1944.
             Seu primeiro emprego foi como chefe de Almoxarifado da Usina de Beneficiamento de Algodão e Indústria de Óleo, na Vila de Fernando Pedroza, hoje cidade.
             Em julho de 1946 foi nomeado para o Departamento de Correios e Telégrafos, ocupando a função de Auxiliar de Tráfego Telegráfico.
             Como educador contribuiu bastante para o ensino e educação de crianças e jovens do município de Ceará-Mirim, chegando ao auge, com a fundação de um estabelecimento de ensino primário “EXTERNATO SÃO JOSÉ”, dentro de sua própria residência, utilizando três salas, conseguindo carteiras em regime de empréstimo, pela então Diretora do Ginásio Santa Águeda, Madre Maria Natália, irmã franciscana do Bom Conselho.
             Teve inúmeros alunos, hoje homens formados exercendo funções representativas em nossa sociedade, dentre os quais enumeraremos: Dr. Gotardo Fonseca (médico); Dr. Pedro Simões (advogado); Dr. Pedro Avelino (advogado) e, seu filo, Dr. Ramilson Pereira Tito (médico), além de outros jovens de cearamirinenses.
             Fundador, Diretor e Professor do educandário Madalena Antunes Pereira, em 1968, hoje Escola Municipal Madalena Antunes Pereira.
             Em abril de 1976 foi transferido da Agência de Correios de Ceará-Mirim para a Agência Postal da Cidade Alta em natal/RN, sendo nomeado Gerente da Agência. Em 1979 foi nomeado Chefe do Setor de Entregas Especiais Domiciliar até sua aposentadoria pela Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos em janeiro de 1980.
             Em 14 de agosto de 1995, na passagem das comemorações dos seus 70 anos, Fo homenageado pelo corpo docente e discente da Escola Municipal madalena Antunes Pereira, por ocasião da abertura dos jogos internos da citada Escola, no Ginásio Aderson Eloy.
             Duas semanas depois voltou á referida Escola, quando emocionado, perante professores e alunos, externou a sua gratidão, pronunciando as seguintes palavras:
             “Primeiro  de que tudo quero iniciar as minhas palavras, agradecendo a Deus e a Nossa Senhora da Conceição que ao completar 70 anos de vida, poder voltar ao Ceará-Mirim, para receber tão grande e significativa homenagem.
             Sinto-me por demais emocionado ao contemplar estes jovens estudantes da Escola Municipal Madalena Antunes Pereira, que fundei em 1968, com o nome de Educandário Madalena Pereira, hoje com uma matrícula de mais de 900 alunos.
             Venho aqui a cidade de Ceará-Mirim, cidade dos verdes canaviais, assistir a abertura dos jogos internos da escola municipal, antigo educandário e ser homenageado como seu fundador.
             Vim ver, depois de quase vinte e sete anos a árvore que aqui plantei, com todo amor, com todo carinho, com muita dificuldade e sacrifício. Estou muito feliz, pois a semente desta árvore que aqui plantei caiu em terreno fértil, nasceu, cresceu e está dando bons frutos.
             Estou por demais feliz, porém as glórias, as honras e as homenagens que hoje estou recebendo como seu fundador em 1968, não pertencem só a minha pessoa; para alcançar o sucesso, contei com a colaboração, o apoio, a ajuda e a boa vontade dos professores, da minha esposa, dos meus filhos e especialmente da professora Janete Medeiros e do professore Guilherme Marinho, que muito me ajudaram e aos quais entreguei o futuro do Educandário, hoje Escola Municipal. Em 1975 assumiram e deram conta, transformando em um grande estabelecimento de ensino.
             O caminho percorrido não foi fácil, porém o esforço, o sacrifício foram compensados. Tivemos falhas, fomos criticados por uns, por outros elogiados.
             Sabemos que grande parte das eficiência de qualquer organização técnica ou administrativa, depende da competência e da responsabilidade dos elementos que a dirige, porém, além da competência, torna-se necessário que conte com a ajuda de uma grande equipe, e que esta, esteja imbuída de uma sábia mentalidade e uma elevada compreensão do papel que cada um desempenha, dentro da sociedade em que vive.
             Tudo na vida o tempo consome na sua marcha implacável. Fixar o momento belo que existiu, que se viveu, eis o instante que a sensibilidade nos favorece para deleite nosso.
             Confesso que nos 25 anos que morei em Ceará-Mirim, vivi momentos difíceis, vivi momentos de indescritíveis emoções e de muitas alegrias, porém, nunca um momento de tão grande emoção como a que estou vivendo hoje.
             Aprendi no Ceará-Mirim, e o Madalena Antunes me ensinou, que a felicidade consiste em ser bom e fazer o bem.
             Quando organizei os estatutos do antigo Educandário, hoje escola municipal; quando abri as portas para receber as crianças, os jovens e por que não dizer adultos para estudarem, para venceram na vida, não foi visando enriquecer ou explorá-los, como muitos naquela época pensaram.
             Não, eles se enganaram. Fiz sim, pensando em educar sem discriminação. Fiz sim, como pai pobre para ajudar a educar os filhos dos menos favorecidos. Fiz sim, para ajudar aos pais que como eu não eram senhores de engenho, nem usineiros, nem comerciantes abastados. Fiz sim, para ajudar aos pais funcionários públicos, donos de mercearia, pescadores e pequenos proprietários, a educar os filhos.
             O Educandário Madalena Antunes Pereira foi criado para servir ao povo humilde, ao povo simples do Ceará-Mirim.
             Quero agradecer a todos os que fazem esta escola, ao corpo docente e discente.
             Agradeço de coração, em nome de toda minha família. Nunca pensei em toda minha vida, ser alvo de tão grande e significativa homenagem.

Nota do Blugueiro:  Tive a honra de ter estudado com o Prof. José Tito, na década 50.  

Artigo publicado no blog de GIBSON MACHADO em 14.03.2009.

Nenhum comentário:

Postar um comentário